Atitudes que podem ajudar

crescereviverO picadeiro do circo Crescer e Viver é hoje a casa de centenas de  crianças e jovens entre 7 e 24 anos que participam  dos diferentes projetos executados pela instituição.  Fica ali na Praça Onze, Cidade Nova, Centro do Rio de Janeiro.   A ideia da ONG é trabalhar com a democracia, com a diversidade cultural e com diversas referências de educação popular. As crianças são levadas a pensar sobre o contexto comunitário onde estão inseridas, a escola, a família. Segundo Vinícius Daumas, um dos coordenadores do Circo, a ideia é poder enfrentar, na lona do circo, desafios como os que se precisa enfrentar no cotidiano. E valorizar a vida humana enquanto patrimônio:

— O circo coloca o ser humano sempre superando seus desafios. São as metáforas da vida: a gente faz malabarismo para pagar as contas, volta e meia estamos na corda bamba. O circo nos coloca uma nova forma de ver o mundo, e é isso que passamos para as crianças. Todas têm que estar inseridas em escola pública, as que não estão nós nos encarregamos de encaminhar – disse ele.

O projeto quer  construir conhecimento, se colocar como um espaço também lúdico. As turmas de iniciação são abertas para crianças que estão fazendo o primeiro contato com malabares, contorção, perna de pau. As oficinas de aprimoramento já têm o desafio de risco e passam a ser até monitores.

Bem, ocorre que a lona do circo já está gasta e precisa ser  trocada. Para isso é preciso R$ 85 mil que o pessoal da ONG pretende angariar num sistema de financiamento colaborativo. Quem quiser participar ou saber mais, é só acessar o http://bit.ly/crescerevivernobenfeitoria.

*******************************************************

Como se sabe, as araras azuis, aquelas aves simpáticas que já foram até fonte de inspiração para filmes, estão em extinção, desapareceram da natureza há cerca de dez anos, justamente por serem bonitas. É que o ser humano não suporta deixar seres tão bonitos soltos na natureza. Precisa aprisionar, precisa matar para arrancar-lhes as penas. Enfim… Mas, felizmente, alguma coisa vai ser feita, pelo menos para tentar salvar essa espécie.ararinha

Na terça-feira dia 26 chegaram a São Paulo, vindas da Alemanha onde foram criadas em cativeiro, duas ararinhas azuis (a foto mostra uma delas no momento do desembarque no Aeroporto). Elas serão levadas para quarentena e depois vão se juntar a outras que estão em cativeiro para começarem a se reproduzir. Tudo obedecendo as normas do Ministério de Agricultura, acompanhado pelo ICMBio, que que coordena o Plano de Ação Nacional para a Conservação da Ararinha-azul (PAN), e pela Sociedade para a Conservação das Aves do Brasil (SAVE-Brasil). “O objetivo é ter indivíduos suficientes em cativeiro para efetuar a reintrodução em seu habitat natural daqui a alguns anos”, explica Camile Lugarini, coordenadora do PAN. A Vale  é parceira da iniciativa.

Vida longa para as ararinhas. Que fiquem livres das garras do maior predador, o ser humano.

*************************************************

Já não é de hoje que se aprimoram os requisitos para se construir de maneira sustentável. Isso quer dizer: utilizando material que possa ser reciclado, fazendo prédios que possam usar mais a luz do dia e gastar menos energia, com sistema de água eficiente etc. Não é nada que vá salvar definitivamente o planeta do aquecimento global, é bom que se diga. Mas é, com certeza, um jeito mais consciente de se construir, o que deixa a vida da gente melhor.

Tem uma empresa, a SustentaX, que se especializou em ajudar construtoras a mitigarem os riscos de seus negócios, levando em conta que a construção civil é um dos setores que mais impactam o meio ambiente, sobretudo por causa do cimento. Mas é, também, um setor que gera muito emprego e, afinal, bastante necessário num mundo em que cada vez mais pessoas querem morar em cidades.

Levando em conta tudo isso, a SustentaX decidiu dar prêmios para construtoras que se enquadrem nas medidas  certas para construções ditas sustentáveis. É tipo assim:  não só as ações ambientais nas obras, mas também questões relativas à qualidade e segurança, combate ao desperdício, medidas para aumento de produtividade e seleção de fornecedores socioambientalmente responsáveis, entre outros.

O prêmio já foi realizado dois anos, está no terceiro. Para Guillermo Guirao, que preside a iniciativa, distinguir as mais sustentáveis entre as 100 maiores construtoras é importante também para disseminar as boas práticas de gestão e de campo para toda a cadeia construtiva. “Será um guia também para os investidores, financiadores e também para os que procuram imóveis”, afirma.

Em 2012, as mais sustentáveis foram Ladeira Miranda, no nível Platina (por ter cumprido 89% dos itens analisados, nas categorias Residencial e Comercial)  e Rio Verde, no nível Ouro, com 71% dos itens de acordo, na categoria Industrial.

********************************************************

Mais uma na área ambiental:  a Alcoa plantou 55.775 árvores nas localidades em que atua na América Latina e Caribe em 2012.  A iniciativa integra o programa Dez Milhões de Árvores, que foi lançado pela Alcoa Inc. no Dia Mundial do Meio Ambiente em 2003. O objetivo da ação é plantar dez milhões de mudas até 2020, o que equivale à absorção de 250.000 toneladas métricas de dióxido de carbono. Para o Brasil, a meta a ser alcançada é de 2.534.000 mudas.  Não é nada, não é nada… tem mesmo é que pôr vigias para que essa quantidade de mudas não seja abandonada e morra sem cuidados.

 

 

 

 

Sobre ameliagonzalez848

Jornalista especializada em sustentabilidade. Ajudou a criar e editou durante nove anos o caderno Razão Social, suplemento do jornal O Globo, sobre sustentabilidade, que foi extinto em julho de 2012. Assinou a coluna Razão Social do caderno Amanhá, de O Globo. Autora do livro `Porque sim`, sobre casos de sucesso da ONG Junior Achievement. Ganhou o premio Orilaxé, da ONG Afro Reggae. Esteve entre as finalistas como blogueira de sustentabilidade no premio Greenbest com o blog Razão Social, que foi parte do site do jornal O Globo de 2007 a 2012. Foi colunista do site G1 de 2013 a 2020, assinando o blog Nova Ética Social. Estuda os filósofos da diferença, como Fredrick Nietzsche, Gilles Deleuze, Spinoza, Henri Bergson em grupos de estudo no Instituto Anthropos de Psicomotricidade. Crê na multiplicidade, na imanência, na potência do corpo humano e busca, sempre, a saúde. Tem um filho e dois cachorros
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s