A história dos besouros rola-bostas

Próximo ao Lago Sagrado, no Templo de Karnak, na cidade de Tebas, no Egito, há várias estátuas feitas em pedra. Uma delas é a de um imenso escaravelho, mais conhecido por nós como besouro. Milhares de turistas passam por ali, mas talvez uma pequena minoria se dê conta da homenagem feita por aquela civilização, que tem cerca de cinco mil anos, a um pequeno inseto.

A capa do Atlas dos Insetos, da Fundação Böll

Eu também jamais estaria contando isso para vocês, não fosse o Atlas dos Insetos, editado pela Fundação Heinrich Böll Stiftung, ter trazido essa história. No Egito, o escaravelho tem uma alusão religiosa, já que esses insetos eram considerados como símbolos da ressurreição. Os egípcios os usavam como amuletos e os esculpiam em tumbas e sarcófagos de grandes faraós.

Aqui no Brasil, o escaravelho recebe um nome bem prosaico: rola-bosta. É uma referência ao hábito que ele tem de remover e manipular, em formato esférico, porções de fezes. Essas “bolas” de fezes são transportadas, enterradas e utilizadas por eles para construção de ninhos e para a alimentação de larvas e de adultos. Esses insetos alimentam-se principalmente de fezes de mamíferos, mas também podem se alimentar de fungos, frutas ou carcaças de animais em decomposição.

Para os egípcios, o sol nascia e morria todos os dias. Eles acreditavam, assim que o deus Khepri se transformava em um besouro rola-bosta, a fim de “rolar” o sol de um lado para o outro.

Justamente por livrar o pasto das fezes, esses bichos são importantíssimos para o ecossistema. E como livram os quadrúpedes das moscas que picam sua pele os deixam estressados e feridos, também são importantes para os bois e vacas. Além disso, quando movem os excrementos para debaixo da terra eles permitem que nasçam gramíneas. Por serem extremamente sensíveis à degradação do ambiente, são considerados bioindicadores de conservação ambiental, motivo pelo qual são usados em estudos para avaliação de riscos gerados pela perda da biodiversidade no mundo.

Neste ponto, a história do escaravelho começa a ser manchada pelas atitudes humanas. É que, para evitar que o gado fique doente, os produtores aplicam remédio nos bichos, principalmente a ivermectina. A maior parte da eliminação desses remédios é feita pelas fezes, o que gera uma diminuição considerável da atuação dos rola-bostas. Consequentemente, o pasto fica cheio de cocô, ali não nasce grama e o resto é o que já sabemos: o ecossistema fica extremamente prejudicado.

Mas a história do escaravelho ou rola-bosta é apenas uma. Os insetos representam cerca de 70% de todas as espécies animais do mundo, e por isto mereceram uma edição bem caprichada, com muitos fatos e muitos dados. Entre outras coisas, é bom lembrar: os insetos polinizam, logo são responsáveis pela nossa comida. Os insetos polinizam três quartos dos plantios mais importantes e impulsionam sua produtividade. Sim, claro, há também aqueles que podem acabar com uma plantação, mas a quantidade de insetos benéficos é muito maior.

Há também a possibilidade de os insetos serem, eles próprios, o alimento. Em mais de 130 países, as pessoas comem insetos que contém muitos nutrientes eficazes contra a desnutrição causada, como se sabe, por má distribuição de alimentos. Não por falta deles.

No entanto, apesar de sua importância inquestionável, a agricultura intensiva, as monoculturas e os agrotóxicos estão fazendo com que tanto a diversidade quanto os números absolutos de insetos estejam diminuindo dramaticamente. O que fazer? Políticas públicas que possam mudar o cenário atual.

Já está mais do que provado que a agroecologia, os sistemas agroflorestais, que não utilizam fertilizantes ou produtos químicos em sua produção, é a melhor maneira de preservar e respeitar o meio ambiente, ao mesmo tempo que se faz uso dos bens que ele nos oferece. Mas isto não é levado em conta. A Câmara dos Deputados acaba de aprovar o texto-base (veja aqui: https://g1.globo.com/politica/noticia/2022/02/09/camara-aprova-projeto-que-facilita-autorizacao-de-agrotoxicos.ghtml) de um projeto de lei que flexibiliza o controle e a aprovação de agrotóxicos no país. Como se fosse preciso: só em 2019, o governo federal liberou 503 novos agrotóxicos, sendo 41% altamente ou extremamente tóxicos, segundo o Atlas dos Insetos.

Na Dinamarca isto foi resolvido com um imposto bem alto sobre os agrotóxicos. Caiu em um terço a carga tóxica anual dos agrotóxicos no país escandinavo. Mas também pode-se pensar em fazer um controle biológico de pragas para evitar os danos que os insetos possam fazer às plantações. Isto será mais bem sucedido se a diversidade de espécies e do ambiente forem maiores.

Um dos primeiros inimigos naturais utilizados em larga escala, com o objetivo de controlar danos provocados por pragas, é a joaninha. Elas conseguem comer de 40 a 75 pulgões por dia, o que faz com que sejam utilizadas em controle biológico, inclusive em áreas urbanas. Elas também têm história, contada no Atlas que pode ser acessado, gratuitamente, no site da Fundação: https://br.boell.org/pt-br/atlas-dos-insetos. Vale a pena ler e contar para as crianças.

  • Este artigo foi publicado originalmente no Espaço Entrenós, da Creche Monte Alegre

Sobre ameliagonzalez848

Produtora de conteúdo. Jornalista especializada em sustentabilidade. Ajudou a criar e editou durante nove anos o caderno Razão Social, suplemento do jornal O Globo, sobre sustentabilidade, que foi extinto em julho de 2012. Assinou a coluna Razão Social do caderno Amanhá, de O Globo. Autora do livro `Porque sim`, sobre casos de sucesso da ONG Junior Achievement. Ganhou o premio Orilaxé, da ONG Afro Reggae. Esteve entre as finalistas como blogueira de sustentabilidade no premio Greenbest com o blog Razão Social, que foi parte do site do jornal O Globo de 2007 a 2012. Foi colunista do site G1 de 2013 a 2020, assinando o blog Nova Ética Social. Estuda os filósofos da diferença, como Fredrick Nietzsche, Gilles Deleuze, Spinoza, Henri Bergson em grupos de estudo no Instituto Anthropos de Psicomotricidade. Crê na multiplicidade, na imanência, na potência do corpo humano e busca, sempre, a saúde. Tem um filho, um cachorro.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s